Hoje estamos rodeados por milhares de aplicações que tem por objetivo facilitar as nossas vidas, nos mantendo mais produtivos e conectados.

Por exemplo, se precisamos nos locomover de um ponto à outro, utilizamos o Uber. Se queremos chamar um taxi, utilizamos outro aplicativo que nos permitirá encontrar o taxi mais próximo. Da mesma forma temos a Netflix em nossas televisões, que nos permite assistir aos filmes ou series de nossa preferência, assim como as redes sociais em nossos telefones celulares, que nos ajudam a saber como estão nossos amigos e familiares, praticamente em tempo real. Tudo isso é muito bom, não é mesmo?

Essas comodidades vieram pra ficar e são bem vindas, especialmente se utilizadas com moderação. A grande questão aqui é que essas ferramentas possuem donos, que são os intermediários (centralizadas), os quais tornam todos esses serviços mais caros pra quem paga, e menos rentáveis para quem presta. Isso faz com que todos esses serviços tornem-se financeiramente insustentáveis com o passar do tempo. Vejam o caso da Uber e da Netflix que são deficitários e enfrentam muitas dificuldades para mudar essa situação.

APRENDA A INVESTIR EM BITCOIN

Deixe seu Melhor Email Abaixo

    Nunca enviaremos Spam

    Identificado esse problema (e alguns outros de cunho moral) estão surgindo opções para substituírem essas aplicações “consolidadas”, que se propõem a prestar o mesmo serviço mas que custará mais barato para quem usa e será mais rentável para quem presta. Isso acontece através da descentralização dessas aplicações, tornando a experiência de pessoa para pessoa (prestador x cliente) e se tornando financeiramente possíveis pela diminuição/inexistência de intermediários, deixando assim a operação menos custosa e mais atraente.

    Chamamos essas soluções de dApps – Descentralized Applications. Existem algumas plataformas para a construção dessas soluções, cada qual com suas peculiaridades, mas todas em busca de serem a solução completa para esse mercado. Essas peculiaridades e a concorrência tem feito que cada uma destas soluções estejam se especializando em determinados segmentos, como games, aplicações financeiras entre outros. As mais conhecidas são: Ethereum, Eos, Tron, Tezos e Cardano – com destaque para o Ethereum, que possui algumas das principais dApps, assim como a maior quantidade de aplicações descentralizadas em uso.

    De acordo com a “The General Theory of Decentralized Applications” (Teoria Geral das Aplicações Descentralizadas), um aplicativo para ser classificado como um dApp, deve seguir 4 principios: 

    1- O aplicativo deve ser completamente de código aberto, deve operar de forma autônoma e sem entidade controlando a maioria de seus tokens. O aplicativo pode adaptar seu protocolo em resposta às melhorias propostas e ao feedback do mercado, mas todas as alterações devem ser decididas por consenso de seus usuários.

    2- Os dados e os registros de operação do aplicativo devem ser armazenados criptograficamente em uma blockchain pública descentralizada para evitar pontos centrais de falha.

    3- O aplicativo deve usar um token criptográfico necessário para acessar o aplicativo e qualquer contribuição de valor dos mineradores deve ser recompensada nos tokens do aplicativo.

    4- O aplicativo deve gerar tokens de acordo com algum algoritmo criptográfico que atuam como prova do valor da contribuição de usuários do sistema.

    Deixe um comentário

    My Newsletter

    Sign Up For Updates & Newsletters

    [mc4wp_form id="456"]